Livros › 09/12/2016

Sementes de destruição (Vozes, 1966)

Em que a contemplação tem a ver com a destruição? Em si mesmo, é claro que são realidades opostas. Acontece, entretanto, que Merton escreve em um tempo de dissonâncias. Tempo em que, para lembrar P. Valery, as civilizações passaram a saber que são mortais. Em quadra semelhante, sob pena de se alhear da comunidade dos homens, O contemplativo – que é seu autor – não se pode restringir a cuidar apenas de seu modo de vida. A destruição presente e/ou iminente que lá fora reina corrói não só os outros homens, como os impede de entender, nos justos termos, o significado da contemplação. Merton se encarrega então de refletir sobre os dois temas, ligando-os mediante um título aproximado. Ele praticamente assim demonstra sua concepção da contemplatividade. O ser contemplativo não se busca a si mesmo, a sua paz individual. Busca sim a Deus. E isso o obriga a encontrá-lO fora de sua segurança, lá fora onde o risco contra a fraternidade dos homens maior se faz. É dentro desta perspectiva que se entende o desenvolvimento da obra ora apresentada. Como terminantemente escreve Merton no prefácio: “Parece-me ser uma solene obrigação de consciência assumir, neste momento da história, as posições que são indicadas neste livro”. Estas posições, ditadas pela coragem de sua autenticidade cristã, passam a ser expostas nas duas primeiras partes do livro. A primeira, em que Merton se volta diretamente para seu país, e nele analisa o problema da segregação racial. A segunda, em que seu alvo se faz mais amplo, embora nem por isso menos preciso: “A Diáspora”. A ideia fundamental nela desenvolvida é a da presença e a do testemunho do cristão na época apocalíptica que nos foi dado viver.

O livro conclui com uma fascinante apresentação da correspondência mantida por Merton com pessoas de todas as partes do globo. Entre seus correspondentes se incluem o pensador J. Maritain, o escritor brasileiro Alceu de Amoroso Lima, o romancista negro James Baldwin, um poeta cubano, o prefeito de Hiroshima, pessoas de mesma convicção religiosa, como seminaristas espanhóis e de credos tão diversos como um quacker, um rabino e um moslim.

Sementes de Destruição é livro destinado a marcar época numa cristandade disposta a se despojar de suas vestes imperiais, disposta a oferecer ao mundo testemunho mais autêntico de sua verdadeira opção pelo homem.

Ainda pode ser encontrado em sebos.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.